Olá!

Como estão todos vocês? Espero que bem. Há muito tempo não passo por aqui, né? Hoje eu vim trazer os motivos desse sumiço e principalmente pra explicar por quê no título diz que o patrimônio não importa. Eu vou chegar lá.

Os meses de agosto e setembro foram BEM caóticos estressantes desesperadores complicados para mim, tanto na vida pessoal ato na profissional e foram complicados por motivos diferentes.

O mês de agosto (principalmente na primeira quinzena) foi o mês que o estresse chegou no pico máximo. No dia 24/agosto eu fiz o post do último fechamento do mês de julho (bem atrasado, por sinal 😋) e já tava dando sinais que as coisas davam mudando por aqui. Em agosto tive muitos problemas familiares que foram de brigas familiares a problemas de saúde que me deu uns belos sustos (meus pais me deram muito trabalho esses tempos...rsrs). Além disso, o meu trabalho estava uma m#%$#$! Eu tive férias forçadas durante a quarentena e quando voltei fui colocada em projetos que não tinham ABSOLUTAMENTE NADA A VER com o que fui contratada. Na verdade, a empresa em que estava (sim, no passado, explico mais a frente) mentiu pra mim desde o primeiro dia. Durante a entrevista apresentou uma oportunidade de trabalho tentadora (até por isso resolvi pedir demissão da empresa em que estava) e quando cheguei aquela oportunidade não existia. Ficaram empurrando com a barriga dizendo que a oportunidade chegaria e tal, mas no final das contas a oportunidade nunca chegou. Na verdade a situação tava só piorando.

Até que a segunda quinzena de agosto chegou e as coisas começaram a melhorar. Estava participando de dezenas de processos seletivos (quem é da área de TI sabe que ela está bombando!) e, enfim, uma das empresas que eu admiro MUITO me fez uma proposta de trabalho remoto. Na verdade, eu nunca pensei em trabalhar nessa empresa porque eu precisaria mudar de cidade, o que não está nos meus planos, mas como eu fui convidada a fazer o processo, não quis recusar logo de cara. Eu comecei o processo em fevereiro (sim, não errei, foi fevereiro mesmo) e no começo a possibilidade de trabalho remoto não existia. Em agosto, qdo foi liberado o trabalho remoto mesmo após a quarentena, me fizeram uma proposta e eu aceitei! Além de trabalhar numa empresa referência da área de TI, com projetos que fazem sentido pra minha carreira, o salário teve mais de 30% de aumento! O jogo virou!!!

Pedi demissão da empresa que só fez me enganar e comecei a planejar a minha vida com trabalho 100% remoto. O meu aviso prévio foi um tormento. Trabalhei como uma condenada, fiz várias coisas que estavam MUITO além do papel para deixar tudo o melhor possível, mas ainda sim julgaram, falaram mal... enfim... não vale a pena. Vamos em frente!

Eu sempre trabalhei em escritório e, por isso, não tinha um home office montado e passei todos esses meses com o notebook na mesa de jantar. Era horrível ergonomicamente falando e além disso as gambiarras que precisava fazer pra funcionar me angustiava. A casa estava com as paredes sujas e os móveis da sala foram MUITO mal feitos na época que nos mudamos. Enfim, tinha chegado o meu momento que muita gente passou nessa quarentena: Reforma!!!! 

No primeiro dia de setembro começou a pintura. Vocês já pintaram a casa/apartamento de vocês enquanto continuam morando e trabalhando nela? É um caos. A poeira, o tira e bota de coisas de um lugar para o outro, tudo isso no meio de reuniões via zoom. O Sr 3F sofreu horrores (Sr 3F, eu sei que você está lendo isso: te amo! Obrigada por ter me apoiado nessa reforma maluca que inventei no meio da quarentena 💚).

Comecei o novo emprego somente com a pintura pronta e com a marcenaria para fazer, o que só foi feito no final de setembro! Mais alguns dias de poeira e barulhos de serra. O importante agora é que eu e o Sr 3F estamos com a sala de casa reformada, cada um com sua mesa para o home office mais estruturada! Enfim temos um pouco de paz! 

Lembra que eu falei que tive um bom aumento de salário? Pois é! Quase nada desse aumento irá para os planos de independência financeira. No comecinho eu falei sobre problemas de saúde dos meus pais.  São problemas tratáveis, mas que diminuem a qualidade de vida deles e o que, na minha opinião, aumentam o stress, causando outros problemas médicos (como enxaqueca, gastrite), enfim, virou uma bola de neve. Em um dos episódios do podcast do Sr iF365 ele falou sobre a morte do seu sogro que teve um atendimento de saúde precário e como aquilo o afetou (quem souber qual foi episódio que esse tema foi mencionado, deixa o link nos comentários). O testemunho do sr IF365 me afetou profundamente. Meus pais fizeram sacrifícios enormes para me dar um teto, alimento, roupas, educação. Como posso ficar sentada no dinheiro enquanto vejo eles sofrendo com as sequelas físicas de todo o sofrimento que passaram? Já quitei o apartamento, conquistei um patrimônio razoável, tenho um bom emprego. Achei que chegou a hora de pagar por um plano de saúde para que consigam se cuidar melhor e tenham melhor qualidade de vida. Encontrar um plano foi uma saga. Apesar de eles não terem uma idade muito avançada, muitos planos já negaram a proposta de cara ou então na proposta tinha cláusulas contratuais onde a seguradora poderia cancelar o plano unilateralmente, sem motivo. Imagina só se o plano faz isso quando estiverem ainda mais velhos? Por isso decidi por um plano um pouco mais caro, mas onde essa possibilidade de cancelamento pela seguradora sem motivo não fosse possível. 

O plano de saúde consome por volta de 90% do valor do aumento que recebi no emprego novo. Ou seja, não afeta o quanto fazemos de aportes mensais atualmente. É um custo mensal alto? Sim, é. Mas o alívio que vi no rosto deles de terem cobertura de saúde é impagável. Além do meu próprio alívio em saber que, em caso de necessidade, eles terão assistência médica com mais qualidade.

Enfim, esses foram os meses de agosto/setembro para mim. Muitas coisas aconteceram e não escrevi tudo por que já está muito grande o texto, rs. Durante esse tempo, gastei uma grana boa com a reforma, comprei alguns equipamentos novos para a casa, e além de tudo, fiz uma dívida recorrente grande: o plano de saúde dos meus pais.

Quer saber? Não importa! Trabalhamos muito para termos independência financeira, mas precisamos de qualidade de vida HOJE, de paz de espírito HOJE, de alegria HOJE. 

Os planos continuam, a independência financeira vai chegar, continuo trabalhando por isso, só que um pouco mais leve, aliviada e feliz.

Nos veremos em breve.

ps. Voltamos a programação normal no fechamento de outubro, prometo...rsrs 

12 Comentários

  1. Parabéns pelo emprego novo e pela sábia escolha de ajudar os seus pais, 3F.

    Essas alegrias, geradas por boas ações e pensamento positivo, nos nutrem para que permaneçamos emocionalmente fortes e saudáveis na longa jornada da independência financeira, mesmo em um cenário tão complicado quanto o presente.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá MAXIMIZADOR,

      é verdade. Na jornada do longo prazo não podemos esquecer de nutrir o nosso presente.

      Obrigada pelo seu comentário
      abcs

      Excluir
  2. Achei uma ótima decisão vc se doar um pouco para os seus pais, também ouvi aquele epi do IF365 e realmente temos que ter essa disposição, pelo menos o mínimo.

    Fiquei de cara com as clausulas de corta o plano unilateralmente, nossa, nem sabia que podia isso hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi EI,

      eu já achava plano de saúde complicado, depois de toda pesquisa que precisei fazer pra fazer o plano pros meus pais vi que o buraco era ainda mais embaixo!

      Planos empresariais podem ter essa cláusula de corte de plano. Se for um plano empresarial com poucas vidas, essa possibilidade aumenta muito! Por isso resolvi fazer um plano individual. É um plano um pouco mais caro, mas tem os reajustes regulados pela ANS e não pode ser cancelado.

      (Pensando bem, acho que vale fazer um texto sobre o assunto... )

      Abcs

      Excluir
  3. Feliz por você! Desejo sucesso, felicidade e saúde para você, seu marido e seus pais! Dinheiro não compra consciência tranquila.

    ResponderExcluir
  4. Quem tem a coragem e a iniciativa de sair do emprego e buscar algo novo merece reconhecimento.
    Muitos são os que reclamam de seus empregos, chefes, colegas, salários etc, mas não buscam nenhuma alternativa (principalmente servidores públicos) e resignam-se a esperar a aposentadoria ou serem demitidos.

    Parabéns por reconhecer o comportamento do seu marido. Tem muita gente comprando briga de gêneros e outros tantos que ficam disputando com seus cônjuges pra ver quem ganha mais, manda mais etc etc
    Relacionamento assim está fadado ao fracasso.
    Boa sorte com as novas escolhas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anon,
      Muitas pessoas ficam nos empregos reclamando e não tomam atitude de mudança. Eu acho isso ridículo. Principalmente se a desculpa for para não perder a multa do FGTS! (eu já ouvi isso várias vezes)
      Falo isso pensando na minha bolha que é área de TI. Acredito que em outras áreas possa ser mais complicado.
      Abcs

      Excluir
  5. Olá 3F, parabéns pela decisão de pagar um plano de saúde para seus pais. O dinheiro é algo muito traiçoeiro quando perdemos a razão... ele pode se tornar mais importante do que a vida, do que as pessoas. Eu comecei a pagar um valor bem alto em um tratamento fonoaudiólogo para a minha filha que tem gagueira. Esse valor ultrapassa o valor que eu pago mensalmente de plano de saúde para 4 pessoas. Só que há uma pergunta que eu faço. Lá na frente, quando eu for FIRE, serei feliz vendo minha filha tendo sua qualidade de vida prejudicada pela gagueira? E pra mim, a resposta é muito clara. Eu prefiro atrasar alguns anos a IF e ter acesso ao melhor fonoaudiólogo que ela pode ter. Isso faz com que eu tenha a consciência tranquila. Acho que para você também é isso, você terá a sua consciência tranquila sabendo que fez o que estava ao seu alcance para os seus pais. Um beijo.

    ResponderExcluir